30 maio 2017

RESTAURANDO A PORTA DO PEIXE

 
 
 
 
RESTAURANDO A PORTA DO PEIXE (Neemias 3:3)
 
 
“Os filhos de Hassenaá edificaram a PORTA DO PEIXE; colocaram-lhe as vigas e lhe assentaram as portas com seus ferrolhos e trancas”
 
Temos estudado bastante acerca das dez portas de Jerusalém, mais especificamente na época de Neemias e analisando o seu empenho pessoal e dos seus homens acerca da restauração de cada uma destas portas. 
 
Recentemente escrevemos sobre a Porta das Ovelhas e apontamos entre outros pontos, uma característica fundamental na vida cristã que como igreja, nossa prioridade precisa ser Cristo, já que Ele é a Porta das Ovelhas, e enquanto ovelhas urge resgatar o gosto pelas doutrinas fundamentais da Bíblia, cedermos à obra do  Espírito para o alcance dos pecadores e restaurarmos o tempo de comunhão com o Pai, tomarmos mais tempo com Deus, com sua Palavra e envolvermos mais assiduamente nos cultos e celebrações da igreja que fomos plantados.
 
Agora caminharemos falando acerca da Porta do Peixe.  Por que esta Porta era assim chamada? Todo o peixe pescado no Jordão e no mar da Galiléia dava entrada por esta porta de Jerusalém, localizada no muro norte. Peixe para os judeus depois do pão era o alimento mais destacado.  
 
Na Porta das Ovelhas vimos que a sua restauração abordava profeticamente que agora posicionados em Cristo, como ovelhas do Bom Pastor, nossa conduta é fato marcante em nossa vida, porque qualidades como obediência, submissão são as molas mestras no caminhar pela vontade daquele que nos comprou.

Já a Porta do Peixe, que fala de alimento,  acena que na caminhada cristã agora temos  um segundo degrau de crescimento e este é onde nos alimentamos da comida que Deus nos dá. Minha filha foi ao nutricionista hoje e voltou com uma lista de alimentação que ela “precisa comer” e não o que ela “quer comer”.  Na Porta do Peixe é lugar de comer o que Deus nos manda e não o que queremos comer.

Quando os Israelitas caminhavam em sua jornada em direção à terra prometida, no trecho de Elim ao deserto de Sim, eles fazem a sua quarta das doze queixas murmurando contra Moisés e Arão no capítulo 16:3 “Quem nos dera tivéssemos morrido pela mão do Senhor, na terra do Egito, quanto estávamos sentados juntos às panelas de carne e comíamos pão a fartar! Pois nos trouxestes a este deserto, para matardes de fome toda esta multidão.”  A proposta do povo era um cardápio de acordo com a sua preferência, a proposta de Deus era dar àquele povo “o pão dos céus”. (veja detidamente o versículo 4)

Quando entramos na caminhada cristã estamos debaixo de uma nova vida, então somos supridos pelo Senhor e não podemos a qualquer dificuldade na falta temporária de vestimentas, comida ou dinheiro, assumirmos reclamos e murmurações contra Deus, pois assim nos tornaremos prisioneiros das nossas vontades, apetites e sonhos de consumo. Isto revela a falta de deixar Deus direcionar a vida.

Na Porta do Peixe a dieta espiritual ou o alimento que revigora nos para a caminhada a ser cumprida, é preparada por Deus e não por nós. Quando supridos por Deus, somos estimulados a repartir o que recebemos.  O peixe tem uma figura abrangente sobre o compartilhar do alimento. E no nosso caso depois de alcançar a salvação, o melhor que temos que fazer é a obra do Senhor, é evangelizarmos, passar a mensagem adiante, fazer chegar o peixe a outro. 
 
A Porta do Peixe é o lugar da multiplicação, da frutificação e do trabalho no Senhor. Como uma pesca, é o chamado do Senhor para os seus discípulos: “Caminhando junto ao mar da Galiléia, viu dos irmãos, Simão, chamado Pedro, e André, que lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores. E disse-lhes “Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens” Mateus 4:18-19.

A exemplo do maná do deserto ou da multiplicação realização por Jesus, Deus não nos dá alimento para estragar. É em vão ficar pedindo a Ele mais conhecimento se não compartilhamos com os que precisam o que já recebemos, é uma espécie de processo de retribuição, quando mais de Deus damos, mais de Deus receberemos.

É neste estágio que precisamos com a força do primeiro amor disseminar a semente do evangelho, porque com o bom alimento que recebemos de Deus, a Palavra, o evangelho na era da graça, não corremos o risco de por exemplo, passarmos pela frustração que os primeiros discípulos experimentaram, porque foram usados no milagre da multiplicação dos pães, porém, não tiveram discernimento de quem  era o Verdadeiro Pão.

Aproveitemos a Porta do Peixe, comamos de Deus tudo o que Ele nos der, não escolhamos os alimentos, não tenhamos preferência, antes, comamos o oferecido, porque este alimento nos sustentará à porta dos pescadores(igreja), lugar de dedicação profética, crescimento e reprodução.
 

27 maio 2017

RESTAURANDO A PORTA DAS OVELHAS



Nos ultimos dias tenho sido tocado profundamente pelo Espírito Santo para retomar  os estudo das Portas de Jerusalém, que tive a alegria de ser ministrado pelo meu inesquecível professor de Panoramo do Velho Testamento, pastor Dally. Ele era um texano muito legal, trocava muitas palavras mas conduzia a aula pelo Espírito então valia pena ouvi-lo.

Quase sempre experimentamos um cativeiro temporário, provocado por nós mesmos, ainda que saibamos que”para a liberdade foi que Cristo nos libertou”(Gl 5.1). Um cativeiro é algo incomodo que priva a liberdade conquistada, e sempre é decorrente de pecados cometidos e distanciamento da presença de Deus.
Imagine 70 anos de cativeiro, isto foi o que experimento Israel no cativeiro galileu e assírio e depois Judá no cativeiro babilônico. Mas a fidelidade de Deus dá ao seu povo a oportunidade de uma retomada da vida. O Salmo 187:7 diz” Embora eu enfrente angústias, tu me vivificas; estendes a mão contra a ira dos meus inimigos, e a tua direita me salva”(Bib.Séc.21). Deus sempre no seu histórico de relacionamento com o homem, deu a este uma nova chance de recomeço.
Primeiramente o assunto é  sobre a restauração da Porta das Ovelhas, baseada em Neemias, no texto de Ne 3:1 :″Eliasibe, o sumo sacerdote, e seus irmãos, os sacerdotes, dispuseram-se, então, a reconstruir a porta das Ovelhas. Eles a consagraram e colocaram as folhas da porta no lugar. Depois reconstruíram o muro até a torre dos Cem, que também consagraram, e prosseguiram até a torre de Hananel”.(Bib.Séc.21).

Uma porta não pode ser reconstruída sem estar anexada a um muro. Porta só para em pé fixada a um muro. Então, tomemos doravante o sentido profético da nossa salvação baseado na restauração desses muros e portas. O profeta messiânico como um Arauto do Rei que reconstrói, anuncia de forma tremenda: “Naquele dia se entoará este cântico na terra de Judá: Temos uma cidade forte; Deus colocou a salvação por muros e colunas”. Isaías 26.1(Bibl.Séc.21) Muro na Biblia é sinal de proteção, mas portas reconstruídas falam de recomposição do caráter, desconfigurada pelas nossas más escolhas.
Vejamos  a 1a. Porta restaurada: A PORTA DAS OVELHAS:  Neemias 3:1
“Então, se dispôs Eliasibe, o sumo sacerdote, com os sacerdotes, seus irmãos, e reedificaram a PORTA DAS OVELHAS; consagraram-na, assentaram-lhe as portas e continuaram a reconstrução até à Torre dos Cem e à torre de Hananel.” Como primeira portara a ser restaurada, ela foi consagrada, isto é, separada.

Em João 10:7 Jesus declarou “…Eu sou a porta das ovelhas. E continuou no versículo 9 :” Eu sou a porta.Se alguém entrar por mim, será  salvo. Entrará e sairá, e achará pastagem”(Bibl.Séc.21). Que maravilha quando lembramos da nossa salvação, primeiro momento de nossa decisão em seguir a Cristo. É o nosso primeiro tempo com Deus, tempo inesquecível porque fomos tomados de uma alegria indizível na decisão de ouvir a voz do Bom Pastor, e escolher entrar por Jesus, porque Ele é o Caminho, a porta, a verdade e a vida. Sim, descobrimos que não há como chegar a Deus se não passarmos pela Porta das Ovelhas, num novo tempo de caminhada cristã.

A restauração da porta das ovelhas, fala proféticamente de que agora em Cristo temos uma conduta toda especial. Somos ovelhas do Bom Pastor. Ovelhas que são conhecidas do seu pastor e ovelhas conhecem o pastor. Quando estamos nessa linha de conduta, nossa personalidade está vinculada à obediência, à submissão, e então temos consciência que agora somos propriedade de Deus, por sua escolha, e que nossa vida agora não é andar pela nossa vontade própria, mas sim pela vontade Daquele que nos comprou.

É lógico que não olhamos para Jesus como uma porta física, mas sim como sendo o único caminho de entrada para o Reino de Deus. Ele mesmo declarou isto em João 14:6 “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém chega a Pai, a não ser por mim” (Bib.Séc.21)

A restauração da Porta das Ovelhas de Neemias  3.1 é de suma importância como mensagem à igreja de hoje. Foi dado prioridade à restauração primeira à Porta das Ovelhas, porque ela tem forte significado para o tempo de restauração da igreja(isto é, cada um de nós). 
 
Como igreja, hoje nossa prioridade tem que ser Cristo, porque Ele é a Porta das Ovelhas. Como ovelhas do rebanho de Cristo, perdemos o gosto pelas doutrinas fundamentais da biblia(amamos os ventos de doutrinas), a obra do Espírito caiu no esquecimento, queremos mostrar nossos dons, carismas e retetés, mas não permitimos o Espírito fazer a obra de alcance dos pecadores. Vida de comunhão é artigo de luxo hoje. Comunhão com Pai, amar passar tempo com Deus, com sua Palavra e até mesmo com os irmãos na celebração. 

Precisamos repassar pela Porta das Ovelhas, rever os conceitos básicos que abandonamos, que perdemos na caminhada cristã porque nos acostumamos com o Evangelho e um fator importante é a vida pela fé. 

Outro dia conversando com um irmão que passou pelo Encontro com Deus junto comigo, e já faz 17 anos, ele dizia que transformação experimentou, que a vida nunca mais foi igual de lá para cá. Que ele ama ir a igreja, participar das vigilias, que  agora ele canta com satisfação na igreja, não perde os cultos, que maravilha, mas que só enfrentava um probleminha: vida financeira não estava bem. 

Naquela hora um calor tomou conta do meu rosto que até me pertubei diante dele, me pertubei tanto em ver tanta coisa boa Deus fazendo na vida dele, mas estava esbugalhado financeiramente. Foi aí que eu arrisquei perder o amigo e perguntei: você tem dizimado e ofertado à Casa do Senhor?

A pertubação passou para ele e me disse: ah!pastor quando dá eu dou sim uma ajuda para a igreja, mas só quando dá, porque a situação dificil para todo mundo. Interrompi-o com a seguinte fala:”irmão, a situação está ruím para os que não tem vida de fé”, um homem como você sai avivado do Encontro, mas que não honra a Deus com a adoração daquilo que é Dele, não experimentou nada de transformação. 

Dízimo é atitude de fé, quem não dizima não tem vida de fé. E quem não vive a fé, está com a personalidade cristã desfigurada. É preciso entrar pela Porta da Ovelhas, rever e viver os principios básicos da Bíblia, entao daí vem a restauração do muro. Daí é experimentado a proteção. Dê prioridade a Restauração da Porta da Ovelhas, retome os principios e viva uma vida de experiência real com Deus.

Cristo deve ser o alvo inicial de todo o que quer experimentar uma vida cristã abundante. Muito havia para ser restaurado, mas a Porta das Ovelhas era urgente. Sua prioridade hoje é Cristo, então haverá mudança de geração. Sairão da vida almática, carnal e inconstante.  Ouça a voz do Bom Pastor: EU SOU A PORTA DAS OVELHAS !
PS. Estou orando para encontrar graça e continuar o estudo sobre a Restauração das demais Portas de Jerusalém.

19 maio 2017

OS BONS RESULTADOS DE QUEM BUSCA E ANDA COM DEUS













Caminhamos para os últimos dez dias do mês de maio, portanto já no 140o.dia e com vistas de que temos 225 dias para o final do ano de 2017, mas diga se de passagem, o tempo que se foi e vivenciamos tem sido uma prova todo este período, nunca vimos um tempo tão desvairado á nível de desastres naturais e tragédias nas nações e desestruração moral, onde a corrupção borbulha em cada continente, país e no nosso caso, no Brasil na nossa barba, com tantos solavancos onde está patente que quem era para governar bem, se rende ás benesses do dinheiro fácil e sujo,  mas nós o que tememos ao Senhor podemos dizer Ebenezer, até aqui o Senhor nos ajudou.

Apesar dos altos e baixos, lutas e persistência para sobrevivermos, olhando para a Palavra vemos que Deus tem o seu mais que abundante para aqueles que O buscam. 
 
Estava lendo um texto de II Crônicas, capítulo 26 do 1 ao 15, que compartilho aqui: “Todo o povo de Judá tomou a Uzias, que era de dezesseis anos, e o constituiu rei em lugar de Amazias, seu pai. Ele edificou a Elate e a restituiu a Judá, depois que o rei descansou com seus pais. Uzias tinha dezesseis anos quando começou a reinar e cinqüenta e dois anos reinou em Jerusalém. Era o nome de sua mãe Jecolias, de Jerusalém. Ele fez o que era reto perante o SENHOR, segundo tudo o que fizera Amazias, seu pai. Propôs-se buscar a Deus nos dias de Zacarias, que era sábio nas visões de Deus; nos dias em que buscou ao SENHOR, Deus o fez prosperar. Saiu e guerreou contra os filisteus e quebrou o muro de Gate, o de Jabné e o de Asdode; e edificou cidades no território de Asdode e entre os filisteus. Deus o ajudou contra os filisteus, e contra os arábios que habitavam em Gur-Baal, e contra os meunitas. Os amonitas deram presentes a Uzias, cujo renome se espalhara até à entrada do Egito, porque se tinha tornado em extremo forte. Também edificou Uzias torres em Jerusalém, à Porta da Esquina, à Porta do Vale e à Porta do Ângulo e as fortificou. Também edificou torres no deserto e cavou muitas cisternas, porque tinha muito gado, tanto nos vales como nas campinas; tinha lavradores e vinhateiros, nos montes e nos campos férteis, porque era amigo da agricultura. Tinha também Uzias um exército de homens destros nas armas, que saíam à guerra em tropas, segundo o rol feito pelo escrivão Jeiel e Maaséias, oficial, sob a direção de Hananias, um dos príncipes do rei. O número total dos cabeças das famílias, homens valentes, era de dois mil e seiscentos. Debaixo das suas ordens, havia um exército guerreiro de trezentos e sete mil e quinhentos homens, que faziam a guerra com grande poder, para ajudar o rei contra os inimigos. Preparou-lhes Uzias, para todo o exército, escudos, lanças, capacetes, couraças e arcos e até fundas para atirar pedras. Fabricou em Jerusalém máquinas, de invenção de homens peritos, destinadas para as torres e cantos das muralhas, para atirarem flechas e grandes pedras; divulgou-se a sua fama até muito longe, porque foi maravilhosamente ajudado, até que se tornou forte.”


Diante disso comecei a pensar sobre a nossa existência aqui nesta terra. Toda a vida aqui desfrutada, sempre seus resultados melhores foram decorrentes de uma boa tomada de decisão. Ninguém que viva nesta terra escapou ou escapará de decisões a serem tomadas. Agora, bem é verdade que também passamos por problemas dos mais variados, mas a maioria dos nossos problemas são frutos das nossas escolhas e decisões. Quando decidimos mal, colheremos frutos daquela decisão errada. Então está patente que por uma decisão errada, acabamos por atrair problemas, mas temos também uma atenuante, quando acertamos nas decisões, conseguimos reparar erros e ainda encontramos soluções dos nossos problemas.

Com certeza cada um de nós nunca esqueceu aquela decisão errada que tomou um dia, mas a verdade também nos traz a lembrança aquela acertada decisão que mexeu com todo o contexto existencial da nossa vida.

Quem sabe hoje mesmo, tenha gente lendo esta postagem e que poderia compartilhar uma decisão que a levou à prosperidade, que produziu paz, que a lançou na caminhada rumo ao sucesso, que desenhou e fez experimentar a vitória e até mesmo creio ter gente que poderia glorificar a Deus agora, porque tomou uma decisão acertada de andar com Jesus e por isto gozará a vida eterna através da salvação e ainda pelo seu testemunho alcançar toda a família para o Reino de Deus.

A história do Rei Uzias é por demais interessante porque tomou uma marcante decisão em sua vida. Uzias decidiu buscar a Deus. Uzias reinou sobre Judá até 740 a.C. A sua atitude nos mostra algo por demais destacado, e com Uzias aprendemos que Deus nos faz prosperar. Nos dias que buscou ao Senhor, Deus o fez prosperar” (II Cr 26:5).

Estudando a história de Israel algo se revela de forma clara: que a prosperidade do povo de Israel, que a prosperidade dos reis de Israel sempre acontecia quando tanto o povo como os reis tomavam a sábia decisão de buscar a Deus e a Ele servi-Lo em fidelidade.

Quando reis e povo abandonavam a idolatria e diante de Deus testificavam que estavam agora em aliança com Deus, vinha sobre eles tempos de paz, alegria e de forma assustadora a prosperidade. Mas quando se esqueciam do Senhor e retomavam a idolatria e começavam a praticar o pecado, eles atraíam de novo a maldição, a escravidão, a opressão, a fome, miséria, pobreza e enfermidades.

Então Uzias se destacou por sua decisão em buscar ao Senhor e com esta atitude teve a sua vida transformada e ainda mudou toda a vida do povo de Israel.

Hoje, devemos e podemos mudar o nosso destino e o destino da nossa família, decidindo buscar com toda a nossa alma ao Senhor e servi-Lo fielmente, rasgando nosso coração e deixando-O assumir o controle da nossa vida.

Que riqueza o vs. 6: “Saiu e guerreou contra os filisteus e quebrou o muro de Gate, o de Jabné e o de Asdode; e edificou cidades no território de Asdode e entre os filisteus.”

Que maravilha, como fica claro que Deus nos faz vencer as dificuldades. Hoje as cidades são diferentes, mas antigamente as cidades eram dotadas de muros de proteção e estes muros visavam impedir a entrada pessoas não credenciadas. Na verdade, estes muros eram verdadeiras fortalezas, porque mesmo distante as pessoas olhavam e viam que aquele muro era um grande obstáculo para quem, por exemplo, tivesse a intenção de tomar de assalto aquela cidade. Uzias se deparou com três imensos muros: o muro de Gate, o muro de Jabne, e o muro de Asdode.

Obstáculos à frente, muros, verdadeiras fortalezas sempre tendem a gerar desanimo em quem pretende conquistar algo, mas Uzias não se intimidou pelos muros à frente e dotado de uma grande coragem conseguiu derrubar aqueles muros e lograr êxito no seu intento.

É lógico que a coragem, a garra, a determinação de Uzias pesou neste instante, mas nada disto teria valor se ele não estivesse pautado na melhor de todas as suas decisões na vida: ter buscado a Deus.

Sempre na vida estamos defrontes a problemas e dificuldades e estes na maioria das vezes trazem o impedimento para a conquista dos nossos sonhos, mas eu quero te desafiar a ter uma decisão como de Uzias. Decida buscar a Deus, entregue toda a sua vida ao Senhor e com certeza Ele te fará um vencedor, um conquistador.

Então, quando buscamos ao Senhor prosperamos, vencemos dificuldades e finalmente temos a ajuda de Deus contra os inimigos. O versículo 7 nos diz: “Deus o ajudou contra os filisteus, e contra os arábios que habitavam em Gur-Baal, e contra os meunitas”

Que maravilha. Uzias teve grande sucesso em seu reinado por ter tomado a decisão mais acertada da sua vida. Ele decidiu buscar ao Senhor, e por isto Deus o honrou de forma tremenda.

O versículo 15 nos mostra que Uzias foi ajudado por Deus de uma forma maravilhosa e por isto tornou se um Rei famoso e forte.  “Fabricou em Jerusalém máquinas, de invenção de homens peritos, destinadas para as torres e cantos das muralhas, para atirarem flechas e grandes pedras; divulgou-se a sua fama até muito longe, porque foi maravilhosamente ajudado, até que se tornou forte”

Nós temos uma promessa em Hebreus 13.8 que Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente. Isto significa que Deus não mudou. Então se estamos precisando da ajuda de Deus, se há algum tentativa do inimigo em destruir a nossa vida, vamos nos despertar para a realidade da Palavra.

Deus prometeu nos ajudar se nós o buscássemos, se decidíssemos segui-Lo fielmente. O que estamos esperando para tomarmos uma decisão efetiva, definitiva de seguirmos ao Senhor?

Decidamos hoje buscar Deus, vamos agora mesmo.Vamos servi-Lo fielmente. Temos uma vida tão pequena, tão curta, tão efêmera, tão passageira, decida buscar a Deus agora mesmo!
Por fim, o rei Uzias prosperou, conquistou novos territórios, levantou um grande e poderoso exército, soube explorar a agricultura, mas ao final o seu coração se exaltou por ver tanto sucesso, fama, riqueza e poder  e se esqueceu  de viver sob as ordenanças e princípios de Deus. “Mas, havendo-se já fortificado, exaltou-se o seu coração para a sua própria ruína, e cometeu transgressões contra o SENHOR, seu Deus, porque entrou no templo do SENHOR para queimar incenso no altar do incenso.” II Cr 26:16

Uzias quebrou uma lei decretada por Deus em Êxodo 30.1-10 “Farás também um altar para queimares nele o incenso; de madeira de acácia o farás. Terá um côvado de comprimento, e um de largura (será quadrado), e dois de altura; os chifres formarão uma só peça com ele. De ouro puro o cobrirás, a parte superior, as paredes ao redor e os chifres; e lhe farás uma bordadura de ouro ao redor.Também lhe farás duas argolas de ouro debaixo da bordadura; de ambos os lados as farás; nelas, se meterão os varais para se levar o altar. De madeira de acácia farás os varais e os cobrirás de ouro.Porás o altar defronte do véu que está diante da arca do Testemunho, diante do propiciatório que está sobre o Testemunho, onde me avistarei contigo. Arão queimará sobre ele o incenso aromático; cada manhã, quando preparar as lâmpadas, o queimará. Quando, ao crepúsculo da tarde, acender as lâmpadas, o queimará; será incenso contínuo perante o SENHOR, pelas vossas gerações. Não oferecereis sobre ele incenso estranho, nem holocausto, nem ofertas de manjares; nem tampouco derramareis libações sobre ele.Uma vez no ano, Arão fará expiação sobre os chifres do altar com o sangue da oferta pelo pecado; uma vez no ano, fará expiação sobre ele, pelas vossas gerações; santíssimo é ao SENHOR.”

A gravidade do atrevimento de Uzias foi tanto que o sacerdote Azarias e mais 80 sacerdotes tentaram tirá-lo deste ato tão presunçoso. “ Porém o sacerdote Azarias entrou após ele, com oitenta sacerdotes do SENHOR, homens da maior firmeza; e resistiram ao rei Uzias e lhe disseram: A ti, Uzias, não compete queimar incenso perante o SENHOR, mas aos sacerdotes, filhos de Arão, que são consagrados para este mister; sai do santuário, porque transgrediste; nem será isso para honra tua da parte do SENHOR Deus’ II Cr 26:17 e 18

Um geração depois, Deus levanta Miquéias e ele diz no capitulo 6:8. Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é o que o SENHOR pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus.” Que pena. Uzias morreu leproso (II Cr 26:21).

Está diante de você a oportunidade de decidir buscar ao Senhor, tornando-se um com Ele e assim prosperar na vida, vencer as dificuldades e ser ajudado por Deus e ao final, receber a vida eterna, a salvação. Tome agora a sua decisão, ore ao Senhor e entregue a sua vida a Jesus, mas não abandone nunca. Busque ao Senhor neste tempo que se chama hoje. 

Decida buscar e entregar-se a Deus e andar com Ele e estar nos planos do Senhor. Na hora de maiores lutas, dores e angústias é hora de buscar a face de Deus e então com certeza virá a: prosperidade, a vitória sobre as dificuldades e a ajuda maravilhosa do nosso grande Deus.

18 maio 2017

MUDADANDO O FÉU EM MEL.

 
 
 
Águas de Mara

 


 
As vicissitudes da vida as vezes nos levam a pensar que os momentos difíceis que experimentamos são irreversíveis e que cada vez mais fica distante a possibilidade, a chance de retomamos o tempo antes do ocorrido, do fato que nos brindou um tempo de dor, angustia e amargura. 


Em um determinado tempo tive que atender a um pastor muito amigo e compartilhamos então situações experimentadas em nossos ministérios. Tivemos, no decorrer daquele período que unirmo-nos num momento de oração por uma vida que se encontrava em profunda comoção emocional.Não obstante aquele problema apresentado, falou me também o irmão que sua igreja precisaria para um evento de uma boa quantidade de açúcar, e então através de uma empresa amiga da obra, consegui uma porção generosa de açúcar, e então o tempo que começamos de amargor, acabou por findar em uma acentuada doçura.

No entanto, quando conversávamos ouvi que o momento crucial daquele pastor que passava por uma crise, que ele disse que o que  experimentava era tão amargo que nada poderia resgatar a doçura saboreada em outro tempo.Ora, só existe algo que pode ser mais amargo do que o amargo, “é a mentira que nada pode ser mudado ou nada pode ser retomado ao estado original”. 

Como se percebe, tendo lido muito o livro de Êxodo, e grifei um texto do capítulo 15:22-27, porque comecei a vislumbrar o quanto é  possível transformar a amargura em doçura, quando tem a intervenção de Deus no negócio. “Fez Moisés partir a Israel do mar Vermelho, e saíram para o deserto de Sur; caminharam três dias no deserto e não acharam água.Afinal, chegaram a Mara; todavia, não puderam beber as águas de Mara, porque eram amargas; por isso, chamou-se-lhe Mara.

E o povo murmurou contra Moisés, dizendo: Que havemos de beber? Então, Moisés clamou ao SENHOR, e o SENHOR lhe mostrou uma árvore; lançou-a Moisés nas águas, e as águas se tornaram doces. Deu-lhes ali estatutos e uma ordenação, e ali os provou, e disse: Se ouvires atento a voz do SENHOR, teu Deus, e fizeres o que é reto diante dos seus olhos, e deres ouvido aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma enfermidade virá sobre ti, das que enviei sobre os egípcios; pois eu sou o SENHOR, que te sara.Então, chegaram a Elim, onde havia doze fontes de água e setenta palmeiras; e se acamparam junto das águas.”

Porque na maioria das vezes as pessoas experimentam mais a amargura do que a doçura? Porque vivem em constante reclamação acerca de tudo e de todos. Na verdade estas pessoas abrem a boca para exporem suas lamúrias, murmuração e lamento sobre as suas próprias sortes.E elas não são imaginárias, elas existem e estão por todos lados e  encontramo-las  até mesmo nas nossas famílias.

Lembro me de uma pessoa que uma vez um oficial da igreja falou sobre uma senhora que precisava falar muito comigo, e eu me assustei porque a narrativa dele foi tão detalhada acerca da consternação daquela mulher, que descobri que pessoas com esta intensidade de amargura conseguem mesmo adoecer até quem vive à sua volta.

Mas, há uma boa noticia, existe remédio para estas vidas. As pessoas podem voltar a serem doces, agradáveis e desfrutarem de novo da felicidade, da mesma forma que Deus transformou as águas de Mara, de amargas em doces. E como se processa isto? Como ocorre esta mudança? Primeiramente, tornar o coração aberto a Deus, e clamar a Ele para que a amargura se transforme em doçura.

Este texto que li e reli diversas vezes mostra a história da jornada do povo de Israel, quando deixando o Egito caminhavam pelo deserto já se encontravam três dias sem água e quando chegam à Mara, nasce uma tremenda murmuração contra Moisés porque as águas encontradas eram amargas.Este relato da Palavra de Deus nos ensina que quando defrontarmos com adversidades, ou situação difícil, nada adiantará as reclamações ou murmurações contra quem quer que seja. A sugestão correta aqui é que quando os ventos parecem contrários, em lugar da reclamação ou da murmuração partamos para levantar um clamor a Deus, porque quando clamamos a solução vem. Quando experimentamos complicações, amargura, para provar o retorno da doçura temos que tomar a decisão de colocarmos tudo nas mãos de Deus e nEle confiarmos.Então fica claro que o caminho que faz o amargo se tornar doce é o caminho da obediência.

Imagino que situação experimentou aquele povo ao descobrirem o que o objeto maior para matar a sede de três dias de caminhada era amargo, mas mesmo na hora da adversidade, pode vir sobre nós algo que nos ensina o caminho para transformar o amargo em doce.Em meio à tamanha luta, gente com sede, gente descontente com a situação, um amargor fora da comum na boca, mas Deus não perde uma oportunidade sequer de transformar situações desfavoráveis em favoráveis. Ele propõe que é possível sair da amargura e ver as situações transformadas em algo mais aprazível, mais doce.
E Deus invoca a chave para a transformação: a obediência. Deus se utiliza daquele momento e entrega ao seu povo um estatuto que implicaria em observação em suas ordenanças. Não existe artifício mais completo e eficaz do que a obediência para a mudança de circunstâncias. O amargo vira doce. Exodo 15:25: “Então, Moisés clamou ao SENHOR, e o SENHOR lhe mostrou uma árvore; lançou-a Moisés nas águas, e as águas se tornaram doces. Deu-lhes ali estatutos e uma ordenação, e ali os provou”

Espera um pouco, não é estranho? Que Deus é este? Um povo com sede e Ele dá uma normativa para ser obedecida? Não há nada de estranho nisto não. Desde 1976, quando assumi o pastorado, venho ouvindo gente dizer: ah!eu não vim domingo porque estava mal, fiquei em casa porque estava machucado, e é então nesta hora que tem se buscar o socorro da Palavra pregada porque ela irá estimular a fé e revigorar quem está desfalecido. O salmista descreve que a Lei do Senhor, que as Suas ordenanças são doces ao paladar, tal como o mel e os estatutos, os mandamentos de Deus geram entendimento para escape do caminho errante.

Jamais me cansarei  em persistir de anunciar que os que andam nas suas veredas, ainda que experimentem longas jornadas, doenças e até mesmo o cárcere, podem descansar em Deus, porque por sua bondade Ele lhes dá proteção. Que consolo e esperança neste texto: Enviou-lhes a sua palavra, e os sarou, e os livrou do que lhes era mortal.Rendam graças ao SENHOR por sua bondade e por suas maravilhas para com os filhos dos homens!Ofereçam sacrifícios de ações de graças e proclamem com júbilo as suas obras!Os que, tomando navios, descem aos mares, os que fazem tráfico na imensidade das águas, esses vêem as obras do SENHOR e as suas maravilhas nas profundezas do abismo.Pois ele falou e fez levantar o vento tempestuoso, que elevou as ondas do mar. Subiram até aos céus, desceram até aos abismos; no meio destas angústias, desfalecia-lhes a alma.Andaram, e cambalearam como ébrios, e perderam todo tino.Então, na sua angústia, clamaram ao SENHOR, e ele os livrou das suas tribulações.Fez cessar a tormenta, e as ondas se acalmaram.Então, se alegraram com a bonança; e, assim, os levou ao desejado porto.Rendam graças ao SENHOR por sua bondade e por suas maravilhas para com os filhos dos homens!Exaltem-no também na assembléia do povo e o glorifiquem no conselho dos anciãos.” Salmos 107.20-32 .Que receita para tirar o amargor da vida e dar a ela a doçura proposta pela obediência a Palavra de Deus.

E por fim, toda amargura pode se transformar em doçura através da cruz de Cristo.  Então, Moisés clamou ao SENHOR, e o SENHOR lhe mostrou uma árvore; lançou-a Moisés nas águas, e as águas se tornaram doces. Deu-lhes ali estatutos e uma ordenação, e ali os provou. Êxodo 15.25

Aquela árvore era uma tipologia da cruz de Cristo. Não há enfermidade, não há dor, angustia ou luta que resiste ao poderio da cruz de Cristo. Os efeitos redentivos da cruz de Cristo nos garante a salvação e nos transforma em novas criaturas. A obra que Cristo fez na cruz gerou em cada um de nós uma transformação maravilhosa, e dentro desta transformação está embutido a exclusão da nossa amargura e a capacidade de nos tornarmos pessoas dotadas de doçura, pessoas alegres e acima de tudo que independente das circunstancias que experimentamos trazermos a patente da felicidade.

Qual é a amargura que você está experimentando? Dificuldade financeira? Enfermidade? Desacordo familiar? Incompreensão dos que com você se relacionam? Qual? Qual é a sua amargura? Não, não é hora de reclamar, de murmurar, é hora de obedecer, e as obediências ás normativas divinas te restaurará a doçura do seu lar, do seu casamento, do seu trabalho, enfim da onde tem experimentado a amargura.

O que transformou as águas amargas de Mara em água doce, capaz de ser bebida por aquele povo, foi a proposta de obediência às ordenanças do Senhor: e disse: Se ouvires atento a voz do SENHOR, teu Deus, e fizeres o que é reto diante dos seus olhos, e deres ouvido aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma enfermidade virá sobre ti, das que enviei sobre os egípcios; pois eu sou o SENHOR, que te sara. Êxodo 15:26

Seja qual for o amargor da nossa vida, Deus tem poder para transformar todo o nosso amargo em doce! Ele fez isso com as águas amargas de Mara e elas ficaram doces! O Senhor é o que salva, que liberta e cura. Entregue a sua vida totalmente a Ele, obedeça as suas normas, os seus estatutos e transforme a amargura em doçura.Tome a decisão de obediência. Obedecer é decidir segundo os princípios de Deus. Obedecer é tomar decisão de buscar santidade, ser curado, transformado de amargo em doce.

O PODER DEVASTADOR DE UM FOLHETO EVANGELÍSTICO



Um folheto evangelístico pode fazer um efeito bombástico no reino do inferno. Ele é uma arma devastadora, porém....




...não pode ficar jogado no chão, inerte, tem que estar em movimento, ele não setrata apenas de um folheto ou um simples papel, ele vale uma vida a ser alcançada
...não pode ficar arrumadinho em uma gaveta esperando
uma oportunidade de um dia ser distribuído ou entregue a alguém



...é preciso que alguém que ame evangelizar aborde com ousadia,



..uma a abordagem  franca, demonstrando carinho pelo abordado, ganha a confiança e desperta 




...fanático do heavy metal, conhecido como Ozzy recebeu um folheto...


...tão dependente e alucinado pelo rock pesado,
 foi até preso no Rock in Rio




...mas a semente lançada levou à regeneração, e agora

em Moji Mirim, Vilmar Dacampo consagra a os elementos da primeira Ceia do Senhor celebrada em Moji Mirim, na Rua do Mirante


...no mundo das drogas quem entra quer arrastar mais e mais pessoas, quem é alcançado por Cristo, quer conquistar centenas de almas, despovoando o inferno, e enchendo o céu de vidas restauradas.